Nova Matriz de Competências é discutida na AMB

No último sábado, dia 20 de julho, coordenadores de residências médicas de Cirurgia Pediátrica do país, convidados pela CIPE, se reuniram na sede da AMB, sob a coordenação da presidente da CIPE, Dra. Maria do Socorro Mendonça de Campos, e do conselheiro da Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), Dr. José Roberto de Souza Baratella, para discutir a nova Matriz de Competências Mínimas da Cirurgia Pediátrica.

A reunião, para a qual foram chamados os coordenadores de todos os serviços de Cirurgia Pediátrica do país, contou com a presença da Dra. Miria Guimarães Nunes (Hospital da Criança Santo Antônio – Obras Sociais Irmã Dulce, de Salvador/BA), do Dr. Rodrigo Pinheiro de Abreu Miranda (Hospital da Criança de Brasília José de Alencar – Brasília/DF), Dr. Augusto Aurélio de Carvalho (Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá/MT), Dr. Ricardo Patiño Batista e Dr. Sérgio Alonso Nannini Jr. (Conjunto Hospitalar do Mandaqui – São Paulo/SP), Dr. Leonan Tavares Galvão (Hospital do Servido Público Estadual Francisco Morato de Oliveira – São Paulo/SP) e Dr. João Gilberto Maksoud Fo. (Hospital Municipal Infantil Menino Jesus – São Paulo/SP). O Dr. Luiz Bonamigo Fo., também conselheiro da CNRM, participou do encontro, representando o Dr. Diogo Leite Sampaio, presidente da Comissão de Ensino Médico e Pós-Graduação da AMB.

“A CIPE apresentou aos coordenadores presentes a proposta que foi levada ao MEC em 24 de abril deste ano, a qual recebeu a aprovação, com pequenas modificações, da plenária da CNRM”, relata o Dr. José Roberto Baratella, acrescentando que os participantes da reunião elogiaram e referendaram o texto final. No momento a CIPE aguarda a publicação do texto definitivo pelo MEC.

A proposta da CIPE foi elaborada por comissão formada pelas Dras. Giovana Camargo de Almeida (Curitiba/PR) e Maria Jesus Fernandez Bendicho (Salvador/BA), e pelos então presidente e 2º vice-presidente da associação, respectivamente, Drs. João Vicente Bassols e José Roberto Baratella. Posteriormente, a proposição foi apresentada à Dra. Rosana Leite de Melo, secretária executiva da CNRM, que sugeriu algumas mudanças, e, depois, levada à plenária da CNRM, em Brasília (DF), onde recebeu novas alterações e foi finalmente aprovada.